É birrento? Se irrita por pouco? Reclama por qualquer coisa? Junte-se a nós!

Monday, November 17, 2008

Marcando território

Era uma vez, em um reino não tão distante assim, uma moça loira, de olhos claros, doce e meiga. Ela tinha uma base familiar bacana, bons princípios, estudou, se formou. A nora que toda sogra quer, mas ela tinha um problema. Tinha a risada solta, descontrolada... Em momentos de nervosismo, ou naqueles que acontecem coisas engraçadas mesmo, lá se punha ela a rir. Fica vermelha, tenta falar e rir ao mesmo tempo e nessas horas parece que na verdade ela está chorando, uma loucura.
Certo dia ela estava em uma ligação e a pessoa do outro lado da linha disse algo muito engraçado, ou estranho e eu vi nos olhos da pobre moça o riso contido, ela se segurou, ficou vermelha, segurava o nariz, tentou de tudo, mas não conseguiu, explodiu. Eu peguei o telefone e a salvei da enrascada.

(porque estou escrevendo nesse linguajar estranho, gente que horrível)

Bom, depois dessa ligação que ela riu que nem uma doida aconteceram outras situações de explosões de risada, normal, Juliana é assim mesmo.
Mas, na semana passada, ela se superou fomos almoçar no velho e tradicional Kilo da Maceió.
Na volta, demos de cara com uma mulher levando um cara numa cadeira de rodas. Vale ressaltar que o cara não era um deficiente físico e que estava só com a perna quebrada. A mulher que empurrava a cadeira era BEM atrapalhada. Claro que as calçadas de SP são péssimas, mas o motivo desse texto não é sugerir melhorias nas vias públicas paulistanas.

Para atravessar a rua havia uma rampinha e ela não teve dúvidas, posicionou a cadeira de rodas, olhou para o outro lado com firmeza e impulsionou com força para atravessar logo, só que a cadeira travou e o moço foi arremessado para frente. Ele não chegou a cair nem se machucar (isso nos deixa mais tranqüilas). Eu e ela começamos a rir muito, levamos tapas de colegas como se fossemos duas insensíveis de rir de uma pessoa naquela situação, mas porra! Foi engraçado pra caralho!!

Só que a história não termina ai não. Juliana riu tanto, ficou tão vermelha e acabou fazendo xixi nas calças. Agora imaginem leitores, aquela moça descrita no primeiro parágrafo, na esquina da Angélica com a Maceió, toda mijada, rindo ainda, porque nessa hora ela já tava rindo da risada ou rindo de estar toda mijada. Ela passa a mão em suas partes, que sai pingando, e anuncia: gente o que eu faço? Me mijei muito!
Gente foi horrível, fomos um uma loja, ela comprou uma calça nova e deu um jeito de tomar um banhinho na editora mesmo.

Hoje passamos por aquela esquina de novo, haviam uns cachorros cheirando a calçada e eu disse: é, aqui Juliana marcou território.

4 Comments:

Blogger Bobie Salles said...

SENSACIONAL!!!!
Quando vou conhecer a Juliana? Essa é das minhs. E aviso: isso já aconteceu comigo DUAS vezes. Uma no ônibus e outra na frente da minha casa. Um dia escrevo essa história horrível aqui hehehehe

E Juliana, bem vinda ao clube!
Ah, Jess, adorei o começo "rebuscado" em conto de fadas hehehehehehe
Saudades (MUITAS)!!!

6:20 AM

 
Anonymous Daniel said...

Descobri o blog de vocês através do Jesus, me chicoteia! e adorei a forma de vocês contarem as coisas que lhes acontecem. Devorei o blog, desde o primeiro post em quinze minutos.

Parabéns pela qualidade.

9:01 AM

 
Anonymous Anonymous said...

muito bommm como sempre... kkkkkkkkkk ri pra caramba! e ela falando: gente me mijei! kkkkkkkkkkk muito bom mesmo. parabens.

9:15 PM

 
Blogger Priscilla said...

mijei de rir

2:38 PM

 

Post a Comment

<< Home